sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Portugal tem um médico dentista por cada 1.503 habitantes - País - Notícias - RTP

Portugal tem um médico dentista por cada 1.503 habitantes - País - Notícias - RTP



Portugal tem um médico dentista por cada 1.503 habitantes, alertou hoje a Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), que assinala o Dia Mundial da Saúde Oral com a divulgação de um documento internacional sobre os desafios da saúde oral.

No Dia Mundial da Saúde Oral, que se comemora na quarta-feira, a OMD lança em Portugal o documento "Visão 2020", elaborado por especialistas internacionais em medicina dentária e que estabelece 2020 como prazo para um novo modelo de cuidados de saúde oral.
O relatório chama a atenção para as enormes desigualdades no acesso a cuidados de saúde adequados. Segundo o documento, 60 por cento da população mundial desfruta de acesso a cuidados de saúde oral adequados, variando entre os 21,2 por cento no Burkina Faso e os 94,3 por cento na Eslováquia.
A densidade de médicos dentistas qualificados varia entre um médico dentista por 560 pessoas na Croácia e um médico dentista por 1.278.446 na Etiópia, indica o relatório, adiantando que, em quase todos os países, os adultos mais favorecidos têm um maior acesso, comparativamente com os menos favorecidos.
Segundo a OMD, Portugal regista atualmente um médico dentista por cada 1.503 habitantes.
O documento refere que estas desigualdades têm causas distintas entre países, nomeadamente a desigual distribuição geográfica de profissionais qualificados a nível mundial e dentro dos próprios países, tais como a incapacidade de custear tratamentos orais em alguns segmentos da população.
A doença oral, como a cárie dentária, doenças periodontais e cancro oral, é a quarta doença mais dispendiosa de tratar em todo o mundo, mas é uma das de mais fácil prevenção, indica o documento "Visão 2020".
De acordo com o relatório, que cita a Federação Dentária Internacional (FDI), a cárie dentária afeta a maioria dos adultos e 60 a 90 por cento das crianças em idade escolar, causando anualmente milhões de faltas escolares, enquanto a periodontite é das principais causas da perda de dentes nos adultos e o cancro oral é o oitavo mais comum e mais dispendioso.
O relatório "Visão 2020" define cinco áreas prioritárias para um novo modelo que se quer "mais justo e eficaz", designadamente "dar resposta à crescente necessidade e procura de cuidados de saúde oral", "alargar o papel dos profissionais de saúde oral", "construir um modelo educacional", "atenuar os impactos da dinâmica socioeconómica" e "promover investigação e tecnologia essenciais e translacionais".
TAGS:Dentária,

Sem comentários:

Publicar um comentário